Saques em bancos pode causar colapso na economia chinesa

Após passar meses lutando contra a pandemia do novo coronavírus, os chineses se veem de frente com a possibilidade de uma segunda onda da doença, que gerou muitas mortes e problemas financeiros em todo o mundo. Esse medo de uma nova paralisação está fazendo a população do país a correr para os Bancos e sacarem uma grande quantia de dinheiro. O objetivo é que, caso uma nova quarentena seja estipulada pelas autoridades, as pessoas conseguiriam continuar tendo acesso ao seu dinheiro.

 

Porém, a pressa para sacar o dinheiro dos bancos está preocupando o governo. No sistema bancário, existe as reservas fracionárias. Isso permite que a instituição financeira empreste mais valores do que os saldos depositados. Assim, caso todos retirem os montantes dos bancos, um colapso financeiro gigantesco pode atingir o país, já que os últimos não teriam acesso ao dinheiro por falta de caixa.

 

O Estado, então, determinou um “plano de aplicação para aprovar quem fará grandes depósitos ou saques em bancos comerciais”. Nessa medida, os residentes chineses devem ter uma autorização do governo para sacar valores acima de 100 mil yuanes (R$ 76 mil), e empresas mais de 500 mil yuanes (R$ 383 mil).

 

Com a restrição imposta pelo governo, os chineses passam a ter limitações de acesso ao seu próprio dinheiro. Em uma perspectiva de criptomoedas descentralizadas, como o Bitcoin, isso nunca aconteceria.

 

O Blockchain permite um sistema totalmente transparente, verificável, imutável e sem intermediações de terceiros. Com isso, a rede de informações garante a que a todos terão acesso à suas moedas e na quantia exata. Além disso, foi emitida uma quantidade finita do ativo, sendo impossível novas unidades serem disponibilizadas. Com isso, não há chance do Bitcoin ou outra altcoin serem inflacionados ou ficarem frágeis.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

arrow_upward
pt_BRPortuguês do Brasil
en_USEnglish pt_BRPortuguês do Brasil