Bitcoin tenta alívio, com luta no suporte de US$ 20 mil

A bolsa de valores brasileira voltou do feriado apresentando queda acentuada nesta sexta-feira (17). O Bitcoin tenta um alívio de preços, mas mantém luta intensa no suporte dos US$ 20 mil.

Na última quarta-feira, o IBOVESPA teve alta de 0,73%. Hoje, o índice reverteu, com descida de 2,84%. O dólar avançou, ficando cotado a R$ 5,14.

Pelo Brasil, a Petrobras anunciou o aumento de R$ 0,20 para a gasolina e R$ 0,70 para o diesel, levando a novas intervenções do governo federal na estatal. O Banco Central confirmou ainda o aumento de 0,5% na SELIC, que agora soma 13,25%. Lá fora, o dia é marcado pelo vencimento de opções e futuros semanais e mensais, o que costuma levar volatilidades às ações. Os Bancos Centrais da Suíça e Inglaterra subiram, ontem seus juros, enquanto o do Japão manteve sua postura monetária flexível. Nos Estados Unidos, o governo destacou o tom preocupado sobre a inflação, com Joe Biden aprovando uma lei para reduzir os preços de frete no exterior.

Com um certo alívio no mercado acionário, o Bitcoin também apresenta um dia mais positivo, mas de intensa briga no suporte dos US$ 20 mil. Ainda ontem, a criptomoeda de referência esboçou um avanço de preços para os US$ 23 mil, conforme a volatilidade retomava ao mercado. Entretanto, a rejeição do nível levou à correção, que parou nos US$ 20,1 mil. Hoje, mais uma subida para os US$ 21,3 mil encontrou resistência. Agora, a moeda digital é comercializada a US$ 20,4 mil. No Brasil, a média de negociação é de R$ 105 mil.

Assim como o mercado se comportou de forma mista após as reuniões do Banco Central norte-americano, o aumento de juros da última quarta-feira manteve a dualidade no humor dos investidores. Segundo os analistas da Cryptal Digital, há pouco o que se avaliar até o momento, já que os impactos das mudanças da política monetária nos Estados Unidos na inflação só devem ser observados no médio prazo. Até lá, o avanço de preços no mundo todo parece certo, e o apetite por risco tende a ficar cada vez mais reduzido.

Mas ao olhar diretamente para o Bitcoin, nossa equipe destaca que o número de endereços que possuem pelo menos uma unidade da criptomoeda de referência atingiram um novo recorde histórico. Pode-se entender, portanto, que o valor atual de US$ 20 mil ou abaixo é uma grande zona de interesse de compra. Essa perspectiva vai de encontro ao indicador de fluxo de dormência da Glassnode, que indica um Bitcoin, tecnicamente, sobrevendido, em níveis não vistos desde 2011.

Uma visão expandida do indicador de Fibonacci, em um tempo gráfico de 24 horas, coloca o suporte do Bitcoin em US$ 13,8 mil, enquanto a resistência mirando os US$ 21 mil. O RSI aponta os 23%, com o mercado beirando a sobrevenda, e o MACD continua com as linhas cruzadas para baixo.

Este foi o boletim Cryptal News desta sexta-feira. Veja essa e outras análises em nosso WhatsApp e nos canais de áudio oficiais. Siga a gente também nas redes sociais para acompanhar o dia a dia de nossa equipe!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

*

arrow_upward
pt_BRPortuguês do Brasil