Bitcoin aponta baixa, mas dados sugerem acumulação

Com risco fiscal ainda em pauta, a bolsa de valores brasileira apontou para queda nesta quinta-feira (30). O Bitcoin seguiu a baixa do mercado tradicional, mas dados on-chain continuam sugerindo forte acumulação.

Ontem, o IBOVESPA teve queda de 0,96%. Hoje, o índice manteve a tendência, com descida de 1,08%. O dólar avançou, ficando cotado a R$ 5,23.

Pelo Brasil, o risco fiscal segue em pauta, com o possível rompimento do teto de gastos, em meio à PEC dos combustíveis e aumento do Auxílio Brasil. O Banco Central admitiu que a meta da inflação será descumprida pelo segundo ano consecutivo. Nos indicadores, a taxa de desemprego caiu para 9,8%. Lá fora, o desemprego na zona do euro também recuou para 6,6%, em maio, enquanto as vendas no varejo da Alemanha e o PIB do Reino Unido avançaram. Os níveis de PMIs, na China. retomaram expansão no último mês. Nos Estados Unidos, a inflação do núcleo PCE avançou 0,3%, abaixo do esperado, e os pedidos de auxílio-desemprego foi de 231 mil, acima do previsto.

O Bitcoin seguiu a tendência de baixa do mercado tradicional, perdendo o suporte dos US$ 20 mil. A baixa volatilidade de ontem deu espaço para uma correção rápida, na madrugada, para os níveis mais baixos dos US$ 19 mil. Pela manhã, uma nova descida colocou a criptomoeda de referência em uma mínima de US$ 18,7 mil. A partir daí, o ativo esboçou uma recuperação. Agora, a moeda digital é comercializada a US$ 18,9 mil. No Brasil, a média de negociação é de R$ 99 mil.

Há poucas mudanças no sentimento dos investidores desta quinta-feira ao observar os principais fundamentos do mercado tradicional. Segundo os analistas da Cryptal Digital, embora a inflação nos Estados Unidos tenha vindo abaixo do esperado, a perspectiva de mais juros pela frente, mesmo que arrefecida, ainda assombra boa parte do mercado. Ao mesmo, o índice dólar (DXY) que poderia demonstrar grande aversão a risco também pouco se movimentou ao longo da sessão.

Estes fundamentos mais negativos, entretanto, são o oposto dos tópicos observados dentro do próprio mercado cripto. Nossa equipe destaca que o primeiro ETF de Bitcoin em spot foi aprovado na Europa, com início de negociação já no próximo mês. A desalavancagem do mercado também é vista em seu estágio final pelo gigante banco JP Morgan. Ao mesmo tempo, um compilado de dados on-chain sinaliza uma forte acumulação do ativo por diferentes tipos de carteira, em níveis não vistos desde o all-time-high de 2017. A retirada da moeda das exchanges continua sua tendência de alta, assim como as reservas de stablecoins, que são bastante utilizadas em plataformas de DeFi e para negociação de derivativos.

Nas métricas do dia, o suporte do Bitcoin mira os US$ 17,6 mil e a resistência os US$ 21,1 mil, segundo o indicador de Fibonacci, em um tempo gráfico de 24 horas. O RSI desce para os 28%, com o mercado mais vendido, e o MACD continua com as linhas cruzadas para cima.

Este foi o boletim Cryptal News desta quinta-feira. Veja essa e outras análises em nosso WhatsApp e nos canais de áudio oficiais. Siga a gente também nas redes sociais para acompanhar o dia a dia de nossa equipe!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

*

arrow_upward
pt_BRPortuguês do Brasil