Em dia instável, a bolsa de valores brasileira apontou neutralidade nesta quarta-feira (1º). O Bitcoin apresentou correção, após quatro dias consecutivos de valorização.

Ontem, o IBOVESPA teve alta de 0,29%. Hoje, o índice terminou com leve subida de 0,01%. O dólar avançou, ficando cotado a R$ 4,80.

Pelo Brasil, a Câmara dos Deputados aprovou, em regime de urgência, dois projetos para tentar diminuir os preços da conta de luz e dos combustíveis. Nos indicadores, a Confiança Empresarial subiu em maio. Lá fora, as vendas fracas no varejo da Alemanha, e a desaceleração industrial na zona do Euro elevam as preocupações com o crescimento econômico. Em Xangai, o lockdown foi encerrado. Na China, a atividade da indústria melhorou em maio, mas ainda aponta contração. A Rússia disse que os norte-americanos “jogam gasolina no fogo” ao fornecer armas à Ucrânia, levando ainda mais tensão à guerra. No livro bege, a maioria dos distritos dos Estados Unidos registraram crescimento leve ou modesto da economia, enquanto quatro indicaram crescimento moderado. A abertura de postos de trabalho, entretanto, recuaram, mas em linha com o esperado.

Já o Bitcoin apontou em correção nesta quarta-feira, após quatro dias seguidos de ganhos. Ainda no início da última tarde, a criptomoeda de referência realizou um novo avanço para os US$ 32 mil. Sem forças, o mercado lateralizou e buscou uma estabilidade de preços na região dos US$ 31,6 mil. Entretanto, uma força vendedora formalizou a baixa de curto prazo do ativo. Agora, a moeda digital é comercializada a US$ 30 mil. No Brasil, a média de negociação é de R$ 145 mil.

A aversão ao risco voltou ao radar dos investidores, hoje, que viram o índice dólar (DXY) avançar perto de 1%, enquanto as principais bolsas globais miraram em queda. Segundo os analistas da Cryptal Digital, os dados econômicos fracos, em meio à galopante inflação global, junto com os atritos entre Rússia e Ocidente impedem qualquer avanço mais significativo do Bitcoin e outras ações.

Em contrapartida, a criptomoeda de referência apresentou quatro dias consecutivos de avanço de preços. Como nossa equipe costuma destacar, nenhum ativo sobe em linha reta e correções no meio do caminho não só são comuns, mas saudáveis para criar pontos de suporte. Embora ainda próximo da zona de risco de novas quedas, o índice de força relativa (RSI), que mede se o Bitcoin está sobrecomprado ou sobrevendido, continua sua tendência de alta, em busca de um equilíbrio.

Nas métricas do dia, o suporte do Bitcoin volta para os US$ 25,3 mil, e a resistência aos US$ 30,2 mil, segundo o indicador de Fibonacci, em um tempo gráfico de 24 horas. O RSI desce para 44%, com o mercado mais sob controle dos bears, e o MACD continua com as linhas cruzadas para cima.

Este foi o boletim Cryptal News desta quarta-feira. Veja essa e outras análises em nosso WhatsApp e nos canais de áudio oficiais. Siga a gente também nas redes sociais para acompanhar o dia a dia de nossa equipe!