Inflação pressiona, mas baleias seguram preço do BTC

Instável, a bolsa de valores brasileira encerrou a quinta-feira (18) com ganhos. O Bitcoin seguiu o cenário macroeconômico inflacionado, apontando cautela na movimentação de preços.

Ontem, o IBOVESPA teve alta de 0,17%. Hoje, o índice manteve a tendência com leve subida de 0,09%. O dólar avançou, ficando cotado a R$ 5,17.

Pelo Brasil, inicia-se o processo de leilão de Congonhas e mais 14 aeroportos nacionais. Lá fora, a inflação na zona do euro subiu para 8,9% na base anual. Embora seja um recorde, o indicador veio em linha com o esperado pelos economistas. Após a ata da última reunião do Banco Central norte-americano, alguns representantes da instituição deram entrevista hoje. Foi consenso entre os formuladores de que ainda é cedo para dizer que a inflação está arrefecendo e que aumentos entre 50 e 75 pontos-base podem continuar sendo adequados nos próximos encontros. Entretanto, essa intensidade ainda deverá ser debatida.

Com o mercado em cautela, o Bitcoin também manteve sua oscilação de preços pouco volátil. Durante a madrugada, a criptomoeda de referência ficou estagnada até, pela manhã, avançar aos US$ 23,5 mil. Sem força, porém, o ativo voltou ao seu suporte. Agora, a moeda digital é comercializada a US$ 23,4 mil. No Brasil, a média de negociação é de R$ 120 mil.

Os breves ganhos do Bitcoin nesta manhã acompanham um clima um pouco mais positivo no mercado, após os dados de inflação na zona do euro estarem dentro das expectativas. Segundo os analistas da Cryptal Digital, entretanto, adivinhar o comportamento do Banco Central norte-americano é uma tarefa difícil. Conforme os juros aumentam, as empresas tendem a sofrer com financiamentos e investimentos, o que impacta diretamente nas ações de risco. Com paridade alta com Nasdaq e S&P500, o Bitcoin também é afetado pela decisão do Federal Reserve.

Enquanto o macroeconômico não se resolve, nossa equipe destaca que os fundamentos do próprio Bitcoin apresentam um possível suporte de preços. Dados do WhaleMap indicam que há um canal entre US$ 22,8 mil e US$ 23,3 mil onde há um grande acumulado de baleias realizando HODL. Este nível pode indicar uma barreira para novas descidas. Pelo lado dos derivativos, amanhã ocorre o vencimento semanal de opções. Os bulls terão vantagem, caso a criptomoeda se posicione acima dos US$ 23,5 mil. Caso contrário, a expiração favorece os bears.

Nas métricas, o suporte do Bitcoin fica em US$ 23,1 mil, e a resistência em US$ 23,7 mil, segundo o indicador de Fibonacci, em um tempo gráfico de 24 horas. O RSI mira os 51%, com o mercado equilibrado, e o MACD mantém suas linhas cruzadas para baixo.

Este foi o boletim Cryptal News desta quinta-feira. Veja essa e outras análises em nosso WhatsApp e nos canais de áudio oficiais. Siga a gente também nas redes sociais para acompanhar o dia a dia de nossa equipe!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

*

arrow_upward
pt_BRPortuguês do Brasil