Estímulos chineses sustentam Bitcoin acima dos US$ 21 mil

Em dia de agenda fraca, a bolsa de valores brasileira encerrou a quinta-feira (25) com alta. O Bitcoin aponta ainda cautela, com o mercado chinês sustentando seu preço acima dos US$ 21 mil.

Ontem, o IBOVESPA teve leve alta de 0,04%. Hoje, o índice manteve a tendência, com subida de 0,56%. O dólar avançou, ficando cotado a R$ 5,11.

Pelo Brasil, a agenda econômica é fraca, com os investidores analisando cada passo dos candidatos à presidência. Lá fora, o Banco Central Europeu divulgou a ata de sua última reunião, demonstrando receios de que a inflação possa estar se enraizando. Na China, o governo anunciou mais um pacote de US$ 44 bilhões para estimular a economia do país. Nos Estados Unidos, o PIB do segundo trimestre teve queda de 0,6%, ante consenso de -0,8%. O número de pedidos de auxílio-desemprego também ficou abaixo do esperado. Por lá, começou hoje o simpósio de Jackson Hole. Autoridades monetárias do país disseram esperar novos dados de inflação, ainda mesclando possibilidades de aumentos de 50 a 75 pontos-base nos juros. Entretanto, há divergências sobre uma possível recessão.

Com muitos eventos no radar dos investidores, o Bitcoin permanece em certa cautela, sem forças para romper os US$ 22 mil. Após buscar os US$ 21,9 mil na última tarde, a criptomoeda de referência viu seu preço recuar logo em seguida. Entretanto, o mercado asiático comprou a queda, levando a um novo teste da resistência. A força foi arrefecida, e o ativo se ajustou. Agora, a moeda digital é comercializada a US$ 21,5 mil. No Brasil, a média de negociação é de R$ 110 mil.

O mercado asiático foi um dos grandes responsáveis por sustentar o preço do Bitcoin acima dos US$ 21 mil. Segundo os analistas da Cryptal Digital, o governo chinês vem anunciando medidas constantes de estímulos à economia. O país vive não só o aumento de inflação, mas apontou uma queda em sua balança comercial, ao mesmo tempo em que enfrenta uma crise climática severa com o baixo índice de chuvas. O simpósio de Jackson Hole, hoje, é apenas uma prévia do aguardado pronunciamento do presidente do FED, Jerome Powell.

Com o clima bastante indefinido e com a possível volatilidade para amanhã, o vencimento de opções e futuros semanais e mensais se tornam uma incógnita. Nossa equipe lembra que, só nas opções, são mais de US$ 1 bilhão para expirar. Com o preço do Bitcoin acima dos US$ 22 mil, os bulls conseguem equilibrar o jogo. Abaixo disso, a vantagem é dos bears. Os dados, entretanto, são analisados de forma bruta, desconsiderando possíveis estratégias mais elaboradas.

Nas métricas, o suporte do Bitcoin fica em US$ 20,8 mil, e a resistência em US$ 21,9 mil, segundo o indicador de Fibonacci, em um tempo gráfico de 24 horas. O RSI aponta os 40%, com o mercado mais vendido, e o MACD continua com suas linhas cruzadas para baixo.

Este foi o boletim Cryptal News desta quinta-feira. Veja essa e outras análises em nosso WhatsApp e nos canais de áudio oficiais. Siga a gente também nas redes sociais para acompanhar o dia a dia de nossa equipe!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

*

arrow_upward
pt_BRPortuguês do Brasil